Muitas pessoas não conseguem viver sem consumir leite ou seus derivados, como os deliciosos queijos. Já outras não podem consumir nada com lactose. E aí, o leite faz mal à saúde mesmo? Engorda? Emagrece? Qual é a melhor alternativa?  

Com exceção das pessoas que desenvolveram ou nasceram com intolerância à lactose, a maioria da população mundial cresceu tomando leite em suas mais variadas formas.

Seja puro, integral, em pó, acompanhando um biscoito, no café, com achocolatado e até em seus derivados como o queijo, bolo, requeijão, iogurtes, sorvete e muitos outros alimentos.

O fato é que basicamente somos a única espécie de mamíferos que consome leite de outros animais. Então, até quando isso realmente faz bem para nosso organismo ou pode ser algo prejudicial?

 

O lado positivo de consumir leite

Que é gostoso e vai bem com muitos alimentos, ninguém tem dúvidas, mas se o leite faz bem à saúde já é algo que vem sendo questionado por alguns grupos. 

Grande parte de nossa alimentação está cercada pelo leite ou seus derivados e, desde quando desmamamos, temos contato direto com formas variadas do leite de vaca. Mas isso nem sempre foi assim. 

Nem sempre os seres humanos consumiram o leite, quando na época em que vivíamos essencialmente da caça, nosso principal alimento era a carne.

E foi somente com a domesticação dos animais (há cerca de 8 mil anos), que o homem passou a consumir leite de vaca e de outros animais de forma mais regular. Isso se tornou mais comum com o advento da revolução industrial, por ser (até hoje) um alimento de baixo custo de produção e ter alguns micronutrientes importantes no desenvolvimento. 

Verdade seja dita: O leite de vaca é um poderoso alimento quando se trata de seus compostos, sendo bastante benéfico para o crescimento e o desenvolvimento nos primeiros anos da criança.

Ele é rico em proteínas, minerais, água, carboidratos, gorduras e o mais importante: o cálcio. Suas proteínas são absorvidas pelo nosso organismo e estimulam a produção de proteínas teciduais que reforçam o sistema imunológico.

E seu composto de vitaminas torna o leite essencial na dieta dos brasileiros, como a vitamina A, tiamina, niacina, biotina, riboflavina, vitaminas B6, C, D, E, K e a vitamina B12, que é exclusivamente encontrada em alimentos de origem animal.

Dessa forma, o leite e seus derivados são extremamente benéficos para diversas partes do corpo:

  • Ossos: por ser rico em cálcio, ajuda na formação dos ossos e ajudar no crescimento de crianças e adolescentes;
  • Pressão arterial: um simples copo de leite desnatado pode conter quantidades de cálcio, potássio e magnésio, que, juntos, são benéficos para o controle da pressão arterial;
  • Controle do peso e depressão: por ser uma fonte rica de triptofano, o leite é associado à produção de serotonina, neurotransmissor que é responsável pela sensação de bem estar, ajudando a controlar o peso e a depressão.

Se existem todos esses benefícios, então tomar leite é algo bom para a nossa saúde, certo? Calma, nem tudo é o que parece. Existem um outro lado do leite e da lactose que você precisa levar em consideração antes de decidir continuar o consumo de leite.

 

Por que o leite faz mal à saúde?

Depois de tantas coisas positivas, você pode estar se perguntando o que tem de errado no leite que consumimos todos os dias. O fato é que, embora consumimos bastante leite, pela lei da natureza não deveríamos.

Nós, seres humanos, somos a única espécie de mamíferos que consome leite de outro animal, ainda mais depois de adultos desenvolvidos, exceto alguns animais domésticos.

Qual o impacto dessa anomalia alimentar em nossa saúde?

Sim, o leite de vaca tem inúmeros benefícios, mas leve um ponto chave em consideração: ele existe para alimentar o bezerro, assim como o leite materno é o ideal para nossa alimentação e desenvolvimento quando somos bebês.

Com o crescente número de pessoas ficando cada vez mais intolerantes à lactose, pesquisadores já começaram a olhar o leite de outra forma, estando mais atentos aos seus males a curto e a longo prazo.

Só para se ter uma ideia, hoje o número apresentado de pessoas com intolerância à lactose já bate os 75% de toda a população mundial. Vamos concordar que é um número impossível de ser ignorado.

Estudos feitos com o leite de vaca colocaram em cheque até algumas vantagens antes apontadas como alimento essencial para o tratamento de doenças como:

  • Osteoporose: o leite era apontado como um dos principais alimentos no combate à osteoporose, no entanto, um estudo conduzido pela Journal of Bone and Mineral Research com 195 mil mulheres chegou a conclusão que o leite não aumenta a proteção contra fratura óssea;

 

  • Câncer: estudos e pesquisas já associam o leite ao agrave dos riscos de câncer de próstata e de mama por conta do aumento dos níveis de IGF-1 no sangue;

 

  • Hormônios: o leite que consumimos hoje em dia é diferente do leite que era consumido há tempos atrás. Isso porque hoje os animais têm sido estimulados com hormônios que podem ser nocivos aos seres humanos;

 

 

  • Inflamações: com o leite inserido todos os dias na rotina, pode agravar inflamações  intestinais, alergias e artrite.

 

 

Como equilibrar o leite em sua dieta sem se prejudicar

Depois de todas essas informações, pode ficar difícil saber se deve colocar leite em sua dieta ou não.

Bom, se você não tem intolerância à lactose o leite está liberado em quantidades moderadas. Atenção para a lactose presente nos outros alimentos que você consome e, se possível, substitua por outro alimento mais benéfico para o seu organismo, como o leite de soja ou amêndoas. 

Outra forma de aproveitar as proteínas do leite é utilizá-lo em vitaminas com frutas que complementem os benefícios do leite. Nesse caso, o que vale mais é o sabor de sua preferência, sendo que pode incluir frutas diversas e alguns legumes como cenoura ou beterraba, sempre evitando o açúcar!

Atenção também para os alimentos secundários! Evite o consumo exagerado dos derivados do leite como creme de leite, leite condensado, queijos e produtos que levam o leite em sua composição como bolos, chocolates e sobremesas, que além de muito calóricos, podem inflamar o corpo e atrapalhar o emagrecimento. 

O leite é uma ótima fonte de cálcio, mas não é a única. Se você está procurando alternativas ricas em cálcio, procure focar em vegetais verdes escuros como brócolis, couve, espinafre e oleaginosas como a castanha-do-pará.

Mas, antes de tirar por completo o leite da sua dieta, se você consome leite regularmente, consulte o profissional para não afetar a sua saúde.

E, se seu caso for emagrecer não adianta só cortar alimentos da sua vida.

Não é apenas deixar de comer bolos, chocolates, biscoitos, pizzas… é preciso aprender sobre os alimentos e qual o impacto deles no organismo.

E se emagrecer está sendo um grande desafio, principalmente no que diz respeito à alimentação, eu posso te ajudar nesse aspecto.

A Neurociência aplicada no emagrecimento tem feito inúmeros avanços científicos e hoje já pode ser aplicada na prática com o objetivo de emagrecer de forma consciente, consistente e definitiva.

Se você quer descobrir como utilizar a neurociência para ter um emagrecimento de fato eficaz e permanente, eu te convido a conhecer o meu programa online CASA DA MENTE MAGRA e os 4 passos do emagrecimento definitivo.

Se você é profissional e quer ajudar seus clientes a conquistarem o corpo desejado de forma definitiva: Conheça a formação Professional Coaching de Emagrecimento Consciente – A primeira formação em coach de Emagrecimento do Brasil, com mais de 4 mil alunos formados, e já está em 12 países. Clique AQUI e saiba como fazer parte desse grupo de profissionais de sucesso.